POVO CAGÃO

20479682_1320279424755853_7742033626599298366_n
O PODER É COMO UM PALCO. QUEM ESTÁ MAIS PRÓXIMO VÊ MELHOR. É NA MAÇONARIA QUE OS POLÍTICOS SE ENCONTRAM PARA TRAIR O POVO. NELA, ELES ESCOLHEM QUEM VAI GOVERNAR O PAIS LEIA SOBRE: ESTÁ NA HORA DE ABRIR ESTA CAIXA PRETA
BRASIL, A GRANDE ÓPERA BUFA.
O Brasil é um país pobre, miserável, sem memória, sem cultura e sem educação, Uma grande mentira histórica como país, uma farsa como Nação, como Pátria e como República. O Brasil é o país das gambiarras, da corrupção, da malandragem, dos acordos excusos, dos golpes, das conspirações e das safadezas mundanas. Um país cujo povo não tem educação, não tem cultura, não tem respeito pelo país e muito menos respeito por si mesmo.
A posse de Donald Trump nos Estados Unidos foi uma bofetada na cara do Brasil. O ritual emblemático de posse de Trump evidencia a diferença entre as maçonarias que fundaram os Estados Unidos e as que fundaram o Brasil. São maçonarias completamente distintas. A maçonaria americana é fundamentada na religião e nos princípios cristãos e o resultado desta diferença fica amplamente evidenciado quando olhamos para os Estados Unidos e o comparamos com o Brasil.
Qual é o resultado das maçonarias azul americana que fundou os Estados Unidos e a vermelha, que criou a independência e fundou a república brasileira? O Brasil é uma tragédia como país e como república. Os fundadores dos Estados Unidos criaram uma nação onde o respeito e o culto aos ritos e mitos são dois pilares fundamentais da democracia americana. Sem ritos e sem os mitos não há memória, não há respeito, não há tradição, não há cultura e muito menos Pátria.
O rito de posse de Donald Trump evidenciou o respeito aos ritos e aos mitos que marcam a trajetória da história americana. A alternância de poder político nos Estados unidos desenrola-se de modo contínuo e ininterrupto há mais de 200 anos. Existe um apreço a liturgia do cargo de presidente e a presidência em si. Os americanos construíram a América com os mesmos preceitos simbólicos e míticos da monarquia inglesa, onde a instituição da Coroa e a figura do monarca, símbolos vivos e tradicionais, estão acima das faces temporais e intemporais. Nenhum país sério no mundo abre mão de suas tradições, de sua memória e de sua carga simbólica, pilares de sua constituição como Nação.
Os Estados Unidos possuem uma única constituição desde sua fundação, O Brasil teve oito constituições desde a independência e até hoje não se definiu como República, como Nação e como Instituição. O Brasil nunca teve alternância de poder contínua, sempre viveu de Golpes de Estado oriundos das guerras intestinas travadas entre os grupos oligarcas, grupos da esquerda revolucionária e as Forças Armadas. Há grupos oligarcas nos Estados Unidos em números muitos mais expressivos que o Brasil. Porém, estes magnatas não se matam entre si na insana e gananciosa busca por alternância de Poder. Muito menos jogam seu país em uma instabilidade continua. Os Estados Unidos tem Forças Armadas e estas nunca se envolveram em política.
O Brasil do Império e da República nunca tiveram respeito pela Coroa, nem pelo monarca e nem pela República como símbolos institucionais e, portanto, acima das pessoas. O Brasil não tem instabilidade, o Brasil não tem símbolos, o Brasil desconhece e despreza a relação do eterno com o temporal, do tradicionalismo e dos ritos institucionais. Como é que isso pode ser um país? O Brasil não é um país. O Brasil é uma outra coisa qualquer, que por hábito e insanidade, seu povo tem chamado de país.
O Brasil é uma mixórdia coletiva, um país ignorante, refém da esculhambação, do jeitinho brasileiro, das gambiarras políticas, das sujeiras, dos golpes de Estado e das tiranias criminosas e corruptas. Mal visto no exterior, O Brasil carrega o estigma de um país corrupto e medíocre. A imagem do povo brasileiro no exterior é a imagem de um povo trapaceiro, malandro, corrupto, sujo e mal trapilho. Na década de 30 muitos portugueses que vieram para o Brasil tinham fama de serem sujos, de andarem mal vestidos e de não fazerem uso do banho. Esta mesma imagem suja e mal trapilha, é a imagem do brasileiro na Europa, na América do Norte, na Ásia e na Oceania.
O Brasil é uma Ópera Bufa de mau gosto, uma mixórdia de país. Uma nação cujo seus governantes e seu povo são constituídos de gente medíocre, ignorante e abstrata. Existem duas Cabalas, uma Cabala Luminosa e uma Cabala Negra. O último sephirah da Cabala Negra se chama Adramalech, o pavão orgulhoso. O Brasil sofre da síndrome do pavão orgulhoso, da Cabala Negra, do pavão negro que recusa-se a olhar para a sua própria feiura, mantendo-se na insana ilusão de auto proclamar-se a própria beleza divina.
O Brasil precisa avaliar sua postura e reescrever sua história. O trabalho para tornar o Brasil uma Nação está todo por ser feito, pois até hoje nada foi realmente trabalhado no sentido de uma grandeza republicana. O que existe no Brasil são arremedos e costuras mal feitas de uma republiqueta medíocre, porca e nefasta.
Há 200 anos, a história do Brasil é uma farsa, uma mentira, uma alucinação coletiva que precisa ser destruída sem dó e sem piedade. Do contrário, o Brasil caminhará para um abismo sem chão e desta forma não haverá riquezas do Brasil que possam dar conta da estupidez e da ignorância pertinaz quando elas são endêmicas, coletivas e culturais, pois contaminou todas as camadas sociais do país, do mais pobre ao mais rico.
O Brasil segue continuadamente mentindo para si mesmo sobre o que ele realmente é. E simplesmente continuará sendo exatamente isso, uma miséria de país, uma grande mentira. E toda mentira é uma construção sobre a areia. Um dia o mundo desmorona, ou como se diz na gíria, “a casa cai”. O dia de fato, em que esta Republica cair, e que além dos Poderes Constituídos, caia tudo, aí sim, o Brasil de fato encontrará um novo caminho em sua história.
Somente depois desta queda, maior do que a queda de Lucífer, é que o Brasil poderá realmente renascer das cinzas. Não como Fênix, porque não é Fênix. O Brasil terá de fato de renascer ou nascer de novo pela primeira vez, desde que se rompam todos os laços com a Coroa Portuguesa. Pois o Império e a República brasileira são dois projetos maçônicos de uma maçonaria pobre, medíocre, mesquinha e maldita.
Vistos como arquitetos de um novo mundo, os Maçons que fundaram o Império e a República brasileira, só construíram desgraças sobre desgraças, criando uma Nação sem moral, sem dignidade e sem memória. Para que o Brasil tenha a grandeza de um país como os Estados Unidos será preciso de pelo menos 200 anos. Será preciso muito trabalho, patriotismo e acima de tudo, seriedade. Até lá, o povo deverá se contentar em se livrar da síndrome do pavão feioso, da Cabala Negra e do próprio orgulho tosco, ignorante e tacanho.

Vazado o vídeo de Álvaro Dias na Maçonaria!

 

 

 

 

Anúncios