galeria O ANTAGONISTA

OANTAGONISTA

11 de Maio de 2016

Não espalhe

Por Diogo Mainardi

O pior governo da história do Brasil acaba hoje.

E acaba muito bem: desprezado, humilhado, achincalhado, combalido e processado.

Quando o Mario e eu publicamos o primeiro post deste jornal, pedindo o impeachment de Dilma Rousseff, a perspectiva de uma queda tão exemplar era quase inimaginável.

Por mais que confiássemos na Lava Jato, temíamos as sabotagens da ORCRIM, comandada por Lula. Por mais que antecipássemos o desastre econômico, temíamos que os brasileiros se acomodassem.

Mas a Lava Jato resistiu a tudo e os manifestantes continuaram nas ruas. Um ano e meio depois, espantosamente, conseguimos empurrar aquela gente para o ralo.

Não espalhe, por favor, mas o Brasil melhorou.

Teori acaba com JEC

A decisão de Teori Zavascki liquida, antecipadamente, todas as tentativas de JEC de judicializar o impeachment. Ele diz: “Não há base constitucional para qualquer intervenção do Poder Judiciário que importe juízo de mérito sobre a ocorrência ou não dos fatos da acusação”… [veja mais]

Teori nega recurso de Dilma
– Teori manda Lewandowski ficar na sua
– Fica na sua, Lewandowski

Rolando estacionamento abaixo

O Antagonista perdeu. No dia da posse de Dilma Rousseff, apostamos que ela rolaria pela rampa do Palácio do Planalto, como Vampeta. Lula – sempre ele – nos privou desse espetáculo. Aparentemente, ele convenceu Dilma Rousseff a escapar de maneira mais discreta… [leia na íntegra]

Dilma foge como Escadinha

A dignidade perdida

Hoje acaba tudo. O Estadão descreveu a agonia de Dilma Rousseff: “Com o malogro da desesperada tentativa de procrastinar o processo de impeachment usando como mão do gato a lamentável figura do presidente interino da Câmara dos Deputados, Dilma Rousseff acabou perdendo o que lhe restava de dignidade antes de perder o mandato de presidente da República…” [leia o texto completo]

Gira, gira, Dilma

Dilma morre, o PT sobrevive

Hélio Schwartsman, da Folha de S. Paulo, despede-se de Dilma Rousseff: “Dilma cai por causa de sua própria incompetência. Investiu numa política econômica errada e, quando percebeu que ela não produziria os efeitos esperados, em vez de recuar e tentar reparar os danos…” [veja mais]

Matar Dilma e salvar Lula

Tirem logo Maranhão da proa

Waldir Maranhão insiste em não renunciar à presidência da Câmara. Nos corredores do Congresso, alguns parlamentares estão tentando emplacar o discurso de “toca o barco assim mesmo”. É inadmissível… [leia mais]

Receba a newsletter de investimentos mais lida do Brasil

O Mercado em 5 Minutos é a principal newsletter gratuita da Empiricus, lida por mais de 2 milhões de leitores!

O pastelão presidencial

Dilma Rousseff se encontrou com Waldir Maranhão no domingo, véspera da anulação do impeachment. O encontro secreto, segundo a Folha de S. Paulo, ocorreu no Palácio da Alvorada. A presidente chegou a questionar José Eduardo Cardozo se Renan Calheiros tinha conhecimento da ideia”… [veja mais]

Exercício de memória

“É hora de Dilma Rousseff começar a se preparar para o destino que o Brasil lhe reservou generosamente: o esquecimento”. É assim que termina o editorial do Estadão. O Antagonista é menos generoso do que o resto do Brasil e, antes de esquecer Dilma Rousseff, faz questão de admirá-la uma última vez – no banco dos réus.

Um acerto e um erro

Michel Temer está preparando o discurso de posse. De acordo com a Folha de S. Paulo, ele “vai destacar que a situação econômica do país é crítica, que a solução diante do quadro atual não será imediata e fará um apelo pela pacificação para o país voltar a crescer… [leia mais]

Temer e a “cota” tucana

Michel Temer ficou espantado ao ouvir que José Serra e Alexandre deMoraes não eram considerados da “cota” tucana de ministros. “Não?!”, perguntou Temer. “Não”, respondeu o interlocutor. “Serra é da sua cota pessoal e Machado é da cota do Alckmin”.

Banco da JBS será o novo BTG

O Antagonista está informado dos movimentos do Banco Original nos bastidores do mercado financeiro, que indicam seu objetivo em ocupar o espaço deixado pelo BTG. As privatizações de Michel Temer já têm um sócio.

Anúncios