O TRAIDOR DO BRASIL

fhc

O COMUNISTA E TRAIDOR FERNANDO HENRIQUE CARDOSO E SEU DIÁLOGO INTERAMERICANO, UNIDOS AOS MOVIMENTOS REVOLUCIONÁRIOS DA ESQUERDA LATINO AMERICANA, RECENTEMENTE VEM POLARIZANDO ESTES “MOVIMENTOS DE ESQUERDA” CONTRA A DITADURA DO PT-FORO DE SP PARA SALVAR O PLANO COMUNISTA NO BRASIL. (Leia e entenda).

Já repararam como do nada, surge repetidamente a figura de FHC no atual cenário político? E sabem porque? Para salvar o socialismo implantado por ele e por seus comparsas comunistas da elite globalista. FHC surge das profundezas do inferno para tentar salvar um Plano de Poder que a esquerda socialista construiu e planejou há 22 anos atrás, através de um pacto firmado entre o Diálogo Interamericano de FHC e do Foro de SP de Lula e de Fidel Castro.

A complexidade do tema pode confundir o leitor, mas vamos tentar através de uma linguagem mais simples, revelar a grande traição dos comunistas para dar continuidade a um plano de expansão do socialismo pela América Latina, iniciado em 1991 pelo Diálogo Interamericano de FHC, com apoio do Foro de SP, à partir do ano de 1993. Como todos sabem, o socialismo tem perdido força dentro de uma ideia traçada pelos “Movimentos Revolucionários da Esquerda Latino Americano” em toda a América do Sul. Isso inclui o PT, o Foro de SP, o próprio FHC, seu partido, o PSDB e o Diálogo Interamericano.

O primeiro revés da esquerda na América do Sul foi a derrota de Cristina kirchner para Macri na Argentina. Macri representa a direita política e vem destruindo todo o plano socialista implantado pelo Foro de SP em seu país. Primeiro Macri desmontou o sistema educacional marxista criado pela esquerda argentina, depois exterminou com programas e emissoras de rádio e televisão dominadas pelos órgãos de esquerda. Agora Macri desmonta o plano econômico argentino e inviabiliza o ingresso de médicos cubanos na medicina argentina. Macri também enfrentou o bolivarianismo de Nicólas Maduro exigindo que o ditador carniceiro, liberte os os prisioneiros políticos que foram caçados pela ditadura socialista venezuelana.

Depois de Macri veio a derrota de Nicólas Maduro para a oposição no parlamento venezuelano, que de imediato, já exigiu a saída do ditador bolivariano do cargo de chefe maior da nação, no prazo de seis meses. Os movimentos revolucionários Latinos tem ainda um outro inimigo do Foro de SP e do Diálogo Interamericano de FHC. O Paraguai. Lá o Presidente, e mega milionário Horacio Cartes não se envergou as pressões da esquerda paraguaia e muito menos, se curvou para o Foro de SP.

Essas três derrotas constituem para a esquerda, o início de um fracasso que pode se generalizar e contaminar todo um trabalho pela socialização da América latina iniciado pelo Diálogo Interamericano. E onde entra FHC nisso? Porque FHC e o Diálogo Interamericano estão mobilizando movimentos revolucionários contra a ditadura petista e contra o Foro de SP?

Em 1993 FHC e Lula se encontraram nos EUA, em um confortável e luxuoso gabinete da Universidade de Princeton, com o beneplácito de Warren Christhofer, secretário de Estado americano. FHC era co-Presidente do Diálogo Interamericano conjuntamente com Peter Hankim. Lula já representava o Foro de SP, que naquela ocasião, era apenas uma organização criada em 1990 por Fidel Castro e por Lula em Cuba, mas que ainda estava sem forças políticas dentro da América Latina. Naquela ocasião FHC apresentou uma série de questões elaboradas pela Elite socialista globalista e que deveriam ser aplicadas em toda a América Latina. FHC reforçou ainda, a liberação, a entrada e a constituição do Foro de SP no Brasil.

Entre as exigências abrangentes do Diálogo Interamericano estavam:

1-O enfraquecimento das elites, ou seja, dos partidos que sempre deram sustentação às elites dos países, responsáveis pela pobreza, que, no caso do Brasil, por conclusão não declarada, eram o PFL, PPB, e seus líderes, como ACM, Maluf, etc., além de empresários e suas bases de sustentação na estrutura de governo.

2-Para o Diálogo, a eliminação das causas da imigração menos desejada, de latinos, impunha conseguir que as forças guerrilheiras, ligada ao Foro, se transformassem em partidos políticos e passassem a disputar o poder pelo voto, imaginando que assim eles, ganhando algumas eleições, apoiados pelo Diálogo para tomarem posse e se manterem no poder, se convenceriam da vantagem do jogo democrático, e se tornariam civilizados, mesmo depois de conquistar o poder. O ingresso de ex-terroristas e ex-guerrilheiros em partidos políticos e na máquina governamental era de extrema importância para o Diálogo de FHC.

Na realidade, o voto é apenas um meio de exercer a democracia, mas não é ele que define a sua essência. Existem ditaduras socialistas como a ditadura Cubana, onde a democracia é exercida de modo restrito, e onde há eleições apenas para cargos que não sejam, o de chefe Maior do país. Voto é forma… Democracia é conteúdo…

3- Evitar qualquer tipo de repressão militar ou policial à esquerda, que também poderia resultar a imigração indesejada e forçada. A tudo, se acrescia um esforço para que os governos fizessem acordos de paz com os que atuavam revolucionariamente, colaborando de todas as formas possíveis, para que a paz fosse obtida, de modo a permitir a formação dos partidos políticos de esquerda revolucionária, como aconteceu com o M-19 e outros movimentos revolucionários. Por isso as FARC receberam um território para administrar, mesmo ainda não tendo concluído sua inscrição como partido político.

4- A outra questão para o Pacto de Princeton, cidade onde FHC lecionou como professor, durante seu exílio voluntário, durante o regime de 64/68, era o controle populacional. Este controle populacional era uma estrategia de suma importância para o Diálogo. A legalização do Aborto deveria ser incentivada e transformada em Lei na América Latina, bem como, a esterilização e o incentivo ao homossexualismo e a união de homossexuais. Nos EUA. existem 600 mil lares constituídos por homossexuais, mesmo que ainda não oficializados por leis civis ou atos oficiais e que, todavia, já vem acontecendo também em certas regiões do Brasil. O incentivo da união entre homossexuais, fortaleceriam o plano de contingência de expansão populacional.

4- As forças de esquerda, no compromisso com o Diálogo, dariam a sua colaboração para atingir a legislação necessária a oficializar essas questões do aborto e união entre homossexuais, que, evidentemente, teriam, previsivelmente, a oposição da Igreja Católica. Desta forma, a IGREJA precisaria ser enfraquecida com a noção de um misticismo individualista, que seria o determinante nas relações de cada um com Deus, sem necessidade de Igreja, sacramentos ou sacerdotes, ou, pelo menos, minimizando a presença desses elementos na população. Frei Beto e Frei Boff escreveram um livro defendendo esta tese. Outra tese abordada recentemente pelo Diálogo, era a destruição de símbolos religiosos nas escolas e repartições públicas. Por isso o PT de Lula e Dilma iniciaram uma caça aos símbolos religiosos. Não foi uma política do Foro e sim do Diálogo Interamericano de FHC.

Para o Diálogo de FHC, duas ameaças poderiam inviabilizar a intentona comunista nas Américas. Uma era as Forças Armadas, e outra, era a Igreja. Por isso era importante realizar políticas que isolassem ou corrompessem essas duas instituições. Vale ressaltar que a Igreja teve e ainda tem um papel de suma importância dentro da sociedade. As Santas Casas e as escolas espalhadas por todo o país e mantidas pela Igreja, fizeram mais pelo país do que as estruturas governamentais.

5- O outro ponto do Pacto e uma exigência do Diálogo Interamericano de FHC, era o enfraquecimento das Forças Armadas, pela sua redução, de um lado, e por uma nova destinação, de outro, e também pela redução de sua capacidade de decisão das referidas Forças, por elementos a elas pertencentes, como a Polícia Militar, Civil e até mesmo a Polícia Federal, além de reduzir seus quadros e usá-las nas Forças de Paz da ONU. As Forças Armadas tem sua origem na necessidade, em certos momentos, de dar suporte para a diplomacia ou para ataques estrangeiros. Há também situações internas, que dizem respeito a manutenção da ordem e da lei, que ultrapassam as condições das policias, que obrigam a presença das Forças Armadas.

Por isso o PT quer acabar com a PM e Polícia Civil e Federal, criando milícias desvinculadas das Forças Armadas. Por isso os cortes no Orçamento iniciados por FHC, cortes de contingente e de redução de tropas e de postos militares fronteiriços, que desde o governo de FHC, veem destruindo e desfigurando nossas Forças Armadas. Outro passo maior foi dado por FHC e pelo Diálogo Interamericano no que diz respeito ao poder dos militares. FHC foi a ONU assinar um “Tratado de Não Intervenção Militar” na América Latina. Este tratado simplesmente inibe a possibilidade de tropas se amotinarem e de realizarem uma intervenção militar.

Ninguém quer regimes militares, mas ninguém quer regimes civis que deixem o brasileiro sem esperanças de construir um futuro adequado para seus filhos. A classe civil que ponha a mão na consciência antes de criticar os pronunciamentos militares em prol de um país melhor. Desta forma, os governos de esquerda também proibiram a participação de militares na política e em assuntos nacionais. Por isso o General Mourão foi punido após criticar o governo e de levantar a bandeira da luta patriótica. Por isso o General Augusto Heleno foi afastado da missão de apaziguar tribos indígenas após denunciar a infiltração de ideologias de esquerda que estavam sendo disseminadas em diversas tribos. A esquerda incentivava a luta de índios e sua independência do Brasil, criando nações independentes.

Da parte do Foro, na reunião de Princeton, foi colocada por Lula, a questão do Haiti, onde Aristide, o Presidente socialista eleito, tinha sido retirado do poder pelas Forças Armadas haitianas. Depois de vários fracassos diplomáticos para que Aristide retornasse ao poder. O Diálogo havia decidido que a melhor maneira para dar apoio ao socialista, seria enviar tropas brasileiras para o Haiti para corrigir este problema. Sob a legenda de “Missão de Paz”, nossas tropas foram enviadas para o Haiti para dar apoio ao socialismo de Aristide e possibilitar sua volta ao poder. Tudo pelo socialismo!

Também, foi assumido, na reunião de Princeton, entre FHC e Lula, o compromisso de contribuir para a abertura de Cuba. Tanto com apoio em aspectos comerciais, empréstimos e financiamentos, como também incentivar o turismo em grande escala, desde que essa “abertura”, ficasse dentro dos limites que assegurassem que o regime de Fidel, fosse mantido sem riscos. Por isso FHC teve vários encontros com Fidel Castro, indo a Cuba várias vezes, acompanhado de Aécio Neves, Serra, José Genoíno e José Dirceu. Há uma foto que circula nas redes sociais em que Aécio aparace almoçando em uma luxuosa mesa, regada de comidas e bebidas junto de Fidel. Pois é, foi durante estas visitas misteriosas de FHC e de sua trupe comunista, que esta foto foi tirada.

O Diálogo, mais recentemente, formou uma Comissão Parlamentar, do qual José Genoíno e dois outros parlamentares brasileiros, inclusive um do PSDB, fazem parte, certamente com vistas à alteração da legalização do aborto, esterilização e união civil de homossexuais. O programa do PT não incluía estes pontos, mas permitiu aos parlamentares agirem como entendessem, no Encontro Nacional que se seguiu ao Pacto com o Diálogo. Por isso FHC criou os PNDHs (Projeto Nacional de Direitos Humanos) para que a inclusão destas metas do Diálogo servissem para o plano de comunização do Brasil.

Dentro desse contexto, realizou-se a reunião de Havana, de Julho de 93. As decisões foram, fundamentalmente três, afora o habitual dos manifestos da esquerda continental. Primeiro, decisão incondicional de todas as forças ali reunidas, no sentido de dar todo o apoio à Cuba, durante o período especial, decorrente da cessação do auxílio soviético e do leste europeu, inclusive com a compra de remédios e estímulo ao turismo.

Itamar Franco, visitado por Lula, adquiriu R$ 300 milhões em remédios de Cuba, para entrega parcelada. Convênios de assistência médica familiar com Municípios também foram temas abordados. Também ficou decidido que os médicos formados em Cuba não precisariam passar por cursos de adaptação, a que são obrigados os formados em outros países. Isso possibilitou que FHC iniciasse a contratação de médicos cubanos e também a criação do programa “Mais Médicos” pelo governo do PT.

Um segundo ponto foi abordado pelo Diálogo de FHC sobre a total necessidade de concentração de esforços de todas as forças do Foro para eleger Lula, tendo em vista a necessidade de uma base territorial e de um governo de expressão, para dar suporte ao que viria a ser uma espécie de União ou Federação (nome dado por Chávez), das Repúblicas Socialistas da América Latina, (URSAL) para substituir a antiga URSS. A criação da URSAL sempre foi um sonho de FHC e passou também à ser um sonho de toda a esquerda revolucionária. Jorge Castañeda, que foi ministro de Relações Exteriores no México, escreveu a favor de Lula e compartilhou das ideias do Foro e do Diálogo. Castañeda também foi assessor de Cárdenas, um dos líderes do Foro, ligado aos zapatistas.

O terceiro objetivo definido na reunião do Foro, em Havana,, seria impedir o desenvolvimento da Nafta , que iria entrar em vigor no dia primeiro de janeiro de 94, no México, com provável expansão para outros países, colocando-se a luta dentro do tema do combate ao neo-liberalismo, por todas as formas possíveis. Nesse mesmo dia, houve o levante zapatista.

Não houve, na reunião de Havana, qualquer referência, pelo menos pública, ao acordo com o Diálogo Interamericano, nem aos compromissos assumidos, inclusive sobre a transformação das guerrilhas em partidos ou a cessação de levantes ou luta armada, tanto que, logo a seguir, houve o levante de Chiapas (1/1/94), sem que, naquela época, os zapatistas, de caso pensado, não participassem do Foro, o que só veio a ocorrer mais tarde.

Se algumas forças do Foro se tornaram partidos, outras, como a FARC e o ELN fazem “cenas” de participação em negociações de paz, que nunca chegarão ao um final, a não ser com a tomada do poder por eles. O MST também faz parte do Foro e da estratégia deste, para toda a AL. Tudo indica que os Senderos estão de volta, bem como os Montoneros, enquanto a Frente Ampla e o Movimento Sandinista se preparam para ganhar as eleições em seus países, e a Frepaso rompe com o governo de la Rua, que acabou na rua…. Todos integram o Foro.

O Pacto continua de pé, embora fragilizado, inclusive porque, com a eleição de Chávez, que morreu anos depois e a atuação da Farc, o Diálogo se sentia falando sozinho, embora, em suas análises, sustentava que Lula era confiável e até democrata, como se Lula não continuasse o seu compromisso fundamental com Fidel Castro, o maior ditador totalitário já visto na América Latina. Ao mesmo tempo, os principais representantes de ambas, FHC e LULA, para a América Latina, não rezavam pela mesma cartilha, pelo menos era o que ambos faziam transparecer. Desde que mantenham certos princípios do Diálogo, podem brigar, um com o outro, à vontade, sem causar maiores danos aos objetivos estratégicos do Diálogo.

O ponto de partida, para o Diálogo, era a certeza de que, com o desmanche da URSS, a esquerda da América Latina teria necessidade um novo ponto de apoio, principalmente de natureza política, enquanto, para o Diálogo, fazia falta, uma força com capacidade mobilizadora, que a chamada social democracia agnóstica não tinha para dar suporte ao pontos essenciais de seu projeto continental, inclusive porque alguns dependiam diretamente da concordância entre a teoria e a capacidade de mobilização do povo, que FHC não tinha. Por isso FHC chamou Lula e o Foro de SP. Por isso existiu o Pacto de Princenton. FHC e o Diálogo não tinham a força que tinha e ainda tem, o Foro de SP.

Voltemos então ao início do texto quando menciono as aparições estranhas de FHC. Porque FHC e o Diálogo Interamericano estão mobilizando movimentos revolucionários contra a ditadura petista e contra o Foro de SP? Simples…O PT quebrou acordos firmados por FHC, deixou visível a estrutura criminosa criada por FHC e não por Lula e Dilma, para manter todo este Projeto Socialista implementado pelo Diálogo Interamericano. A corrupção generalizada e descontrolada, comandada pelo PT, tem colocado todo o projeto da esquerda em risco. Não foi o PT que inventou a corrupção, foi o PSDB, foi FHC e sua horda de comunistas que planejaram tudo para manter a esquerda sempre no poder do país.

Esta estrutura permitiu ao governo do PSDB financiar o aparelhamento do Estado, da mídia, da imprensa escrita e falada. Formar e corromper partidos e políticos aliados, corromper o STF, corromper o sistema judiciário, corromper jornalistas e sobretudo, financiar ONGS, movimentos sociais, sindicatos e novos partidos de esquerda. O povo burro, ignorante político e com cérebro de ameba, não conseguiu captar ou visionar, o que se escondia por trás da cortina de fumaça, criada pela estabilização da moeda com a criação do Plano Real.

Todo um esquema de corrupção foi montado no governo de FHC para captar dinheiro das estatais, fundos de investimentos, impostos e bancos do governo. Era, e ainda é com toda essa dinheirama roubada do país que FHC, Lula e Dilma mantêm o socialismo e a esquerda no poder. FHC teve um eficiente Procurador Geral da República, o Procurador Geraldo Brindeiro, que engavetou mais de 247 processos de corrupção nas estatais, inclusive mais de 40 na Petrobras, Eletrobrás, Furnas, Projeto SIVAN e várias obras superfaturadas.

Lula também abafou vários escândalos de corrupção, principalmente o Mensalão que envolvia seu nome. Recentemente Dilma nomeou o Procurador Rodrigo Janot para engavetar seu impeachment e a prestação de contas de sua campanha com dinheiro roubado da Petrobras. Janot se tornou o novo engavetador dos crimes cometidos pela esquerda e foi ele quem livrou Dilma da cassação de seu mandato no TSE.

FHC viu o nome de seu filho envolvido na corrupção, viu seu nobres pupilos comunistas metidos na Lava Jato, Aécio, Serra e Aloisio Nunes. Até FHC vem sendo investigado de crimes contra o Tesouro Nacional por usar dinheiro público para beneficiar seu Instituto. FHC recebia mesada de empreiteiras, assim com Aécio Neves, e teve seu nome envolvido na Lava Jato. Essas ameaças todas podem acabar com o PT, com o PMDB e até mesmo com o PSDB, e fulminar com o socialismo no Brasil. Esse agora, é o grande temor de FHC e por isso FHC tem “aparecido” tanto na mídia.

FHC disse que Dilma era uma mulher honesta e que não havia motivos para o seu Impeachment. Lembram disso? Disse inclusive que o processo de impeachment era doloroso e que inviabilizaria o país. Lembram? Mas isso foi antes da Lava Jato mexer com seus pupilos e revelar uma grande estrutura criminosa nascida no governo do PSDB e generalizada no governo do PT, e que põe em risco todo o processo socialista.

FHC mudou de ideia muito repentinamente, não acham? FHC tem espalhado em programas de entrevistas, e até mesmo em vídeos produzidos por seus asseclas, que Dilma tem de sair, cair, renunciar ou ser impedida de governar. Dilma deixou a Polícia Federal agir sem perceber no alto de sua reconhecida “inteligência abstrata” que isso fosse ir tão fundo quanto foi. As operações da PF revelaram a esquerda corrupta e criminosa que agia por trás do governo, pregando de mentiras, roubando e desviando dinheiro público. Isso também proporcionou a conscientização do povo, que tem visto a esquerda como uma ameaça ao país, pois além de corrupta e criminosa, ameaça o Brasil com uma ditadura socialista.

O povo também tem assistido o vitorioso e corajoso Macri, HOMEM DA DIREITA, destruindo com a corrupção, com o marxismo, com a dominação da mídia e dando fim há 12 anos de corrupção socialista na Argentina. Isso para FHC é o fim do mundo. FHC odeia a “Direita Política” e vê no governo de Macri, o fim do sonho da URSAL, o fim do sonho comunista no Brasil.

FHC não está pensando, como nunca pensou, no país. FHC está preocupado sim, mas é com o seu Projeto de Poder. Preocupado com as diretrizes globalistas e comunistas do Diálogo Interamericano. FHC é um canalha, um golpista, traidor da pátria, ladrão e chefe de quadrilha. Seu título de sociólogo e sua embusteira educação, são apenas uma cortina de fumaça para enganar os trouxas e os otários da nação. Vaidoso e metido a inteligente, FHC o estrategista do comunismo no Brasil, príncipe do marxismo, mestre do gramscismo, pai do Petrolão e chefe da maior organização criminosa da América Latina, não passa de um mau caráter, salafrário e embusteiro.

FHC agora reúne os metacapitalistas do Diálogo Interamericano, os senhores globalistas que querem difundir o comunismo pelo mundo para torna-lo escravo e submisso ao poder capitalista e juntos, com os movimentos revolucionários da esquerda latina americana, almejam derrubar o PT e dar uma rasteira no Foro de SP. Mas não é para salvar o Brasil como muitos idiotas pensarão, mas sim, para salvar o socialismo/comunismo, implantado no Brasil em 1995 por FHC, e que vem sendo mal administrado pelas mãos de Lula e Dilma Rousseff.

O PSDB e o PT destruíram o país e juntos nos ameaçam de um golpe de Estado. O Brasil precisa se unir para impedir esta escalada criminosa que pretende nos escravizar sob a tutela de uma ditadura comunista, seja ela vinda do PT ou vinda de PSDB.

FONTES E LINKS: http://radiovox.org/…/dialogo-interamericano-e-fhc-polariz…/

CURTA NOSSA PÁGINA: https://www.facebook.com/Politicamente-Irado-1397388943838…/

Anúncios